• Início
  • Mapa do Site
  • Contactos

Munícipe

União das Freguesias de Alcanena e Vila Moreira

Sítio Oficial da União de Freguesias: www.jf-alcanena-vilamoreira.pt

 

 

União das Freguesias de Alcanena e Vila Moreira


População: 5105 Habitantes.

 

Área: 15,4 Km2.

 

Atividade Económica: Indústria de curtumes, metalurgia, pequena agricultura e comércio.

 

Festas, Feiras e Romarias: Festas do 5 de Outubro (Alcanena), Nossa Senhora da Penha de França (Gouxaria – 3º fim de semana de julho), Festejos Cívicos do S. João (Vila Moreira, 24 de junho); S. João Baptista (Raposeira, 24 junho).

Mercado (quartas-feiras e sábado) – Alcanena

 

Património Cultural e Edificado:

 

Alcanena
Igreja de S. Pedro, Edifício dos Paços do Concelho, Casa Municipal da Cultura, Miradouros do Alto do Lavradio e Joaquim Ramos Vieira, Cine Teatro S. Pedro, Monumento ao Trabalhador, Jardim das Lagoas, Complexo Paroquial Jubileu 2000, Auditório Municipal, Biblioteca Municipal Dr. Carlos Nunes Ferreira, Vivenda Maria Nazareth, Fabrica de Curtumes Mota, Vivenda “Bella Portuguesa”, Capela de S. Lourenço, Capela de Nossa Senhora da Penha de França (Gouxaria) e Gruta da Marmota (Raposeira).

 

Vila Moreira
Igreja Matriz, Edifício Alves Ferreira, Jardim 25 de Julho, Fonte Moreira, Lapa da Galinha, Parque de Merendas “Olho da Maria Paula” e Depósito de Água.


Gastronomia: Migas, Cachola, Feijão com Couve, Morcela de Arroz, Iscas à Tia Violeta, Feijão com castanhas e Bolos Podres.

Artesanato: Louça pintada à mão e objetos em couro, pinturas variadas em vidro

 

Coletividades:

ARPICA – Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos do Concelho de Alcanena; Agrupamento 867 do Corpo Nacional de Escutas; Atlético Clube Alcanenense; Casa do Povo de Alcanena; JAC – Juventude, Amizade e Convívio; Sociedade Columbófila de Alcanena; Centro Desportivo e Cultural “Os Marítimos de Alviela” (Raposeira); Clube Bio-Ecológico Amigos da Vila Selvagem; Associação Desenvolvimento Sócio-Educativo  e Cultural ABC de Alcanena; Pedrinha Motor Clube; Núcleo de Cicloturismo de Alcanena; Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes (APIC); Rancho Folclórico de Gouxaria; Centro Sócio-Cultural de Gouxaria; Jubilare – Associação Cultural e Social de Alcanena; e Associação dos Dadores de Sangue do Concelho de Alcanena; Motoclube de Alcanena; Clube de Karaté Amicale de Alcanena; Elos Clube de Alcanena; APAL – Associação de Pais de Alcanena; Associação Cultural Vilamor, Centro Recreativo e Desportivo Moreirense, Associação de BTT “Galegos” de Vila Moreira e ASSIM – Associação de Solidariedade Social Interventiva Moreirense.

 

Histórico:
A União de Freguesias de Alcanena e Vila Moreira compreende a vila e a sede do Concelho, a localidade de Vila Moreira e os lugares de Gouxaria e Raposeira. Esta União de Freguesias foi constituída em outubro de 2013, em cumprimento da Lei nº 11-A/2013, que estabelece a reorganização administrativa do território das freguesias, sendo formada pelas Ex freguesias de Alcanena e Vila Moreira.

 

Na área onde se situa a Vila de Alcanena estiveram, durante cerca de 400 anos, os Árabes, que terão sido os seus fundadores e também os responsáveis pelo topónimo – Alcanena – que significa cabeça seca, própria para conter líquidos (Alcanina) segundo uns, ou lugares sombreados (al-Kinan) para outros autores.

 

A vila é, sem dúvida, um polo centralizador nos domínios económico, administrativo e sociocultural, ainda que a autarquia tenha empreendido ações de descentralização cultural, apoiando coletividades e fomentando o associativismo.

 

A vila de Alcanena é servida por modernas e funcionais infraestruturas de saúde, cultura, desporto e lazer.

 

D. Sancho atesta a presença portuguesa promovendo e desenvolvendo o povoamento de Alcanena. Em 1353, é fundada a Confraria de Alcanena.

 

A passagem dos exércitos napoleónicos deixou fortes marcas em Alcanena, bem como noutras freguesias próximas. Reflexos ficaram também das lutas liberais nesta vila, de onde saíram voluntários que combateram em dois movimentos de revolta contra o totalitário governo de Costa Cabral. A “Maria da Fonte”, que desde o norte vinha levantando o País, contou também com o apoio das gentes de Alcanena que se pôs à disposição da Junta Governativa, em Santarém.

 

Como não podia deixar de ser, dados os pergaminhos de terra defensora da liberdade e como atesta o seu slogan “Para o País a República, Para Alcanena o Concelho”, Alcanena festejou a Implantação da República, a 5 de Outubro de 1910, festejos cívicos que ainda hoje se realizam.

 

Em tempos, Alcanena foi servida pelo caminho-de-ferro que localmente era conhecido por “Comboio Menino” ou “Rata Cega”, que ligava a vila a Torres Novas.

 

Implantada no coração do Concelho, a localidade de Vila Moreira foi, até 2013, aquando da sua agregação à freguesia de Alcanena, a freguesia de mais pequena área do concelho, tendo sido criada em 26 de junho de 1920, a partir da então denominada povoação de Casais Galegos, pela Lei n.º 994, publicada no Diário do Governo n.º 135, que eleva a dita povoação à categoria administrativa de Freguesia, sob a denominação de Vila Moreira.

 

Cerca do ano de 1700, foi construída a primeira casa de Maria Moleira, que casou com um galego, Andrez Rapozo, curtidor de peles, encontrando nestas paragens boas condições para o desenvolvimento da sua atividade, nomeadamente a abundância de água. Por volta de 1780, outros patrícios terão vindo para este local e, como eram galegos, deram, provavelmente, o nome de Casais Galegos à povoação.

 

Os antepassados dos habitantes de Vila Moreira optaram por esta nomenclatura talvez por associação à fonte do mesmo nome – Fonte Moreira – hoje património e ex-líbris da localidade, que é, em área, a mais pequena freguesia do concelho de Alcanena.